Acessar o site
Biologia

Ecossistemas em 6 minutos

Formado pela união de fatores bióticos e abióticos, os ecossistemas estão em uma pequena poça e também em uma grande floresta. Por isso, é fundamental entender toda a sua complexidade.

Autor Representação de uma pessoa Matheus Data Representação de um calendário 20/11/2019 Tempo Representação de um relógio 6min  de leitura

Encontrados em literalmente todos os locais, os ecossistemas são uma das formas mais complexas de organização da vida. Por isso, é fundamental entendermos de verdade seu conceito e os fatores responsáveis por eles.

Os níveis de organização da vida

Para facilitar o estudo dos seres vivos, cientistas fizeram uma escala da organização biológica. Como unidade mais simples de vida, temos as células e do lado oposto da escala existe a Biosfera ou, em outras palavras, o conjunto de todas as coisas do planeta.

Quando diversos indivíduos de uma mesma espécie convivem em um ambiente, chamamos isso de população. Contudo, como nós sabemos, existem milhões de espécies e muitas delas convivendo e se relacionando em um mesmo ambiente. Isso nós chamamos de comunidade.

Imagem mostra a convivência entre uma população de zebras e de flamingos no mesmo ecossistema.
As comunidades são os conjuntos de populações que interagem entre elas.

Avançando um pouco mais na escala de organização, chegamos aos ecossistemas. De forma conceitual, podemos definir eles como o conjunto de comunidades e de fatores não vivos, ou abióticos, em um ambiente. Por exemplo, quando pensamos em uma recife de corais, estamos imaginando um – ou muitos – ecossistemas marinhos.

De forma rotineira, ao se falar em ecossistemas pensamos em grandes paisagens. Contudo, da mesma maneira que comunidades de baleias vivem e interagem em distâncias quilométricas de oceano, uma única bromélia pode ser um ecossistema complexo para insetos.

Por isso, para efetivamente entender um ecossistema, é necessário compreender mais sobre os dois fatores que constituem os ecossistemas: abióticos e bióticos.

Fatores Abióticos – Ecossistemas

Sem necessidade de complexas explicações sobre o nome, fatores abióticos são todas as variáveis não-vivas em um ambiente. Mesmo existindo milhares, para o estudo da ecologia se destaca a luminosidade, temperatura, solo, pluviometria e disponibilidade de água.

Mas é importante ressaltar que fatores isolados não constituem um ecossistema como um todo. Não podemos, por exemplo, explicar um deserto apenas pela baixa pluviometria, pois em algumas zonas polares as chuvas são escassas da mesma maneira.

Imagem mostra um deserto.
Muitas vezes as paisagens naturais são formadas pelos fatores abióticos

Por isso, é necessário entender o conjunto de variáveis e como elas se relacionam entre si para determinar as paisagens. Considerando apenas essas condições, podemos ver diversas semelhanças entre o Cerrado e as Savanas africanas ou entre a Floresta Amazônica e a Floresta do Congo.

Porém, as semelhanças terminaram justamente nos fatores abióticos. Ambos os exemplos citados têm comunidades distintas e por consequência, suas relações para a formação de ecossistemas também se diferenciam.

Fatores Bióticos

Da mesma maneira que os fatores abióticos, o termo “biótico” não necessita de grandes explicações. Ele se refere ao conjunto de variáveis vivas de um ecossistema. Delas participam tanto as comunidades de espécies que ali vivem, como também todas as relações ecológicas que essas estão suscetíveis.

Devido à dinâmica natural dos seres vivos, a própria existência deles no local consegue lentamente modificar os próprios fatores abióticos. Esse é o caso clássico da sucessão ecológica, que devido ao aumento de estabilidade de solo e produção de matéria orgânica pelas plantas, consegue em longo prazo transformar uma duna em uma mata fechada.

Ao longo desse processo, diversas espécies se modificam, tornando-se mais ou menos comum. Por consequência, ainda que independente da fase de sucessão exista predação, por exemplo, as interações entre os seres vivos se modificam, mudando totalmente os fatores bióticos.

Entrando no campo teórico, diversos cientistas acreditam que justamente pelas particularidades locais, não existem ecossistemas iguais, incluindo dentro da mesma floresta, por exemplo. Mas, para efeitos de organização e didático, agregamos ecossistemas similares em grandes grupos chamados de Biomas.

Imagem mostra florestas tropicais que, em geral, estão sempre verde. Exemplo de ecossistemas.
A vida em florestas tropicais é extremamente exuberante e diversa

Ecossistemas ao redor do mundo

De forma quase consensual dentro da ciência atual, atualmente existem 7 grandes fisionomias de ecossistemas. São elas: Tundra, Taiga, Floresta Temperada, Floresta Tropical, Savanas, Pradaria e Deserto.

Adentrando um pouco mais, encontramos centenas de Biomas distintos pelo mundo. Só no Brasil, existem 9 tipos diferentes, ainda que Mata de Cocais, Restinga e Manguezal não sejam reconhecidos oficialmente e existam debates científicos acerca disso.

Indo ainda mais a fundo, dentro de cada um dos Biomas reconhecidos no Brasil, existem mais dezenas de macro ecossistemas, tais como o carrasco, agreste,palmares, seridó e diversos outros só dentro da Caatinga, por exemplo.

Contudo, infelizmente, devido aos impactos ambientais, diversos ecossistemas estão sumindo. Junto com eles, somem também uma complexa e rica biodiversidade que, em muitos casos, a ciência não teve nem tempo de estuda-las. Preservar os ecossistema é uma tarefa de todos e para todos.

Você conhece a Websérie Biomas do Brasil? Ela foi produzida pelo Biologia Total em parceria com o YouTube e fala dos principais biomas brasileiros. Dá uma olhada:

PALAVRAS-CHAVES: Abiótico biomas Biótico ecologia Ecossistema