Acessar o site
Biologia

Ataque de tubarão: tudo que você precisa saber

Temidos por muitos, e amados por poucos, os tubarões despertam os mais variados sentimentos no mundo. Com seus dentes afiados, esses predadores estão mais próximos das nossas vidas que imaginamos. Confira aqui porque um ataque de tubarão vai além da mordida.

Autor Representação de uma pessoa Matheus Data Representação de um calendário 26/03/2019 Tempo Representação de um relógio 4min  de leitura

Os animais mais famosos dos oceanos é protagonista de inúmeros filmes, geralmente com o mesmo tema central: o ataque de tubarão. Eles que despertam os mais variados sentimentos em toda população, talvez tenham mais medo de nós do que imaginamos!

Os maiores predadores do oceano

Dos mais variados tamanhos, cores e formas, os tubarões pertencem ao grupo de peixes cartilaginosos (Chondrichthyes), juntamente com as raias e quimeras. Sua dieta varia muito, podendo algumas espécies comerem mamíferos, como o tubarão-tigre (Galeocerdo cuvier) e outras plâncton, como o tubarão-baleia (Rhincodon typus).

Segundo a WWF, atualmente existem mais de 1.000 espécies em todo o mundo, além das inúmeras extintas ao longo dos 400 milhões de anos. A evolução desses predadores é tão longa que começou 150 milhões de anos antes dos dinossauro. Só para efeito de comparação, nós estamos muito mais próximas do surgimento dos T-Rex, do que esses dinossauros dos primeiros tubarões!

Fama de Vilão

Muito certamente você já ouviu falar daquele filme antigo “Tubarão” (“Jaws”,Steven Spielberg, 1975), que conta a história de um ataque de tubarão gigante. Esse filme de terror é um sucesso até hoje, mas foi esse momento que popularizou os tubarões como monstros do mar, fama que, infelizmente, continua até hoje.

Diferentemente do filme, a ciência reconhece que os seres humanos estão fora do cardápio normal desses animais. Na verdade, mais de 90% das espécies de tubarões nunca nem tiveram registros de incidentes com seres humanos.

Mas por que acontece um ataque de tubarão, Jubilut?

Um estudo publicado recentemente, mostrou que o número de ataques de tubarão vêm aumentando bastante nos últimos 55 anos. Em regiões como Estados Unidos e Austrália esse número chegou a dobrar, de acordo com cientistas. No Brasil, que ocupa a 9º do ranking, foram registrados 65 incidentes nos últimos 27 anos.

Os cientistas acreditam que esses números vêm aumentando em decorrência da diminuição de peixes nos oceanos. Isso resulta em tubarões chegando mais próximo das praias, que estão cada vez mais cheias, e por isso, aumentando os encontros indesejados. Porém o recado dos pesquisadores é claro: O risco de morrer por causa de um tubarão ainda é MUITO baixo.

O risco de um ataque de tubarão é muito baixo

Nossa parcela da culpa

Talvez você não saiba, mas os tubarões estão em muitos cardápios no mundo inteiro, incluindo no Brasil. Aqui, quando ele é pescado, seu nome popular muda para “Cação”, porém o animal continua o mesmo. Além disso, as barbatanas desses animais são extremamente visadas na Ásia. A soma desses mercados mata mais de 100 milhões de tubarões todo ano!

Com tantas mortes por anos, 58 espécies estão ameaçadas de extinção, sendo 6 delas criticamente em perigo, conforme a Lista Vermelha da IUCN. Para efeitos de comparação, são registradas apenas 33 espécies que já atacaram humanos. Quem afinal é o predador voraz?

Ainda há tempo

Nos últimos anos, diversos filmes, programas de TV, revistas e pessoas vêm mudando a maneira como mostram os tubarões. Isso porque existe um esforço global para salvar esses predadores. Além de proteger seu habitat e reconhecer o seu importante papel, dentro e fora das cadeias alimentares.

O Jubilut foi mergulhar com os tubarões-brancos pra conferir de perto o porquê precisamos preservar esses gigantes. Prepare o coração!

PALAVRAS-CHAVES: conservação Oceano Tubarão